Artigo – A Diplomacia Coercitiva e Seus Impactos no Mundo – Por Fabiana Ceyhan

Em 1971, apresentou-se pela primeira vez o conceito de diplomacia coercitiva pelo professor da Universidade de Stanford, Alexander George. Na visão de Alexander, essa diplomacia é aplicada quando um país deseja impor seu ponto de vista, para alcançar seus objetivos. Esses objetivos podem ser políticos, econômicos, e outros, mas são todos de controle: controle de uma nação sobre outras. Ademais, os meios usados para esse tipo de ação são: bloqueios tecnológicos, isolamento político, sanções econômicas, etc.

Indubitavelmente, todos os países têm regras a cumprir, as Nações Unidas são uma referência de condutas de direitos humanos, direitos territoriais, de saúde universal e de condutas éticas com regras de boa convivência entre povos e nações. No entanto, até mesmo as Nações Unidas têm sido afrontada, nos últimos anos.

A corte internacional de Haia, na Holanda, é onde são julgados os casos de crimes internacionais, e a convenção de Viena que define regras sobre a soberania de países e suas autonomias diplomáticas.

Como jornalista da área internacional, vários temas me chamam a atenção e um deles é sobre quais os países realmente estão se impondo sobre os outros de forma prejudicial, e quais países realmente têm uma diplomacia mais construtiva. Sem dúvidas, os países mais desenvolvidos são aqueles que têm mais influência e poder de persuasão.

A Diplomacia do Bem

Estive na China em 2019, onde passei 30 dias e, pude observar e estudar um pouco sobre o país asiático que cresce a cada dia, com uma população de 1,4 bilhões de habitantes. Também, vi muito progresso e trabalho; os  chineses trabalham muito.

Passei a entender mais sobre a diplomacia chinesa, estudar seus pilares, de modo que descobri que um dos princípios chineses é o respeito; eles são respeitosos no trato uns com os outros e respeitam também a soberania de outros países; não interferem nos assuntos internos e políticos de outros países e prezam pela coexistência pacífica; a diplomacia chinesa não agride, não impõe seus pontos de vista; na verdade, a diplomacia chinesa é muito comercial, focada em negócios e benefícios mútuos entre as partes. Outro fato que me chama a atenção, também são os projetos de ajuda da china a outros países menos favorecidos.

A China, através da coexistência pacífica, tem se tornado um grande protagonista no mundo, e, na minha opinião, um exemplo de diplomacia, o qual tem ajudado muitos de seus parceiros.

 A minha conclusão é que a diplomacia coercitiva usada por outros países não é benéfica, e leva, muitas vezes, milhares de pessoas ao sofrimento. Os embargos de remédios, insumos, isolamento e outros, podem afetar famílias e pessoas que nada tem a ver com decisões políticas. Infelizmente,  a diplomacia coercitiva não é um bom exemplo e, sequer deveria existir, na minha opinião.

A diplomacia Chinesa é um exemplo a ser seguido pelo mundo, e mais estudada também, pois conhecer as regras e as formas de governo são fundamentais para se ter uma base concreta do que realmente acontece no mundo, onde estão os problemas e quais poderiam ser as soluções para muitos conflitos. Por fim, afirmo que diante de fatos concretos e vivenciados, o mundo precisa de paz, de entendimento e, as questões polêmicas, que por ventura acontecem, jamais devem ser tratadas com sanções e ameaças.

Como supracitado, há a Corte Internacional de Haia, cuja existência demonstra que nenhum país deveria causar sofrimento ao outro por ter um maior poder econômico. Precisamos mesmo de mais mãos estendidas e menos julgamentos parciais. Espero que as nações sigam soberanas e com o direito ao progresso, sem intervenções de outras.

Fonte: Brasilia em Foco

Free Download WordPress Themes
Download WordPress Themes Free
Download Nulled WordPress Themes
Download Nulled WordPress Themes
udemy course download free
download mobile firmware
Download Premium WordPress Themes Free
free online course

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!