Governo angolano admite que ainda há muitas crianças fora do sistema de ensino

Foto: Fernando Pina/Lusa

A ministra de Estado para a Área Social de Angola admitiu hoje, no lançamento do ano letivo, que há ainda muitas crianças fora do sistema de ensino, apelando também ao reforço das regras de higiene e segurança contra a covid-19.

“O PIIM [Plano Integrado de Intervenção nos Municípios] construiu mais de 500 escolas e mesmo assim não vão ser suficientes para os meninos todos. Ainda vamos ter muitos meninos fora do sistema de ensino, mas a ministra da Educação e a equipa dela estão a trabalhar para ver como é que através de aulas virtuais, das novas tecnologias [podem ultrapassar esses desafios]”, disse Carolina Cerqueira no ato de lançamento do ano letivo 2021/2022, numa intervenção veiculada pela rádio pública angolana. 

Citada também pela agência noticiosa angolana, Angop, Carolina Cerqueira, que procedia hoje em Menongue, capital da província do Cuando Cubango, à abertura oficial do ano letivo 2021/2022, disse que é preciso, a partir de agora, não descurar as regras de higiene e de biossegurança, que o novo coronavírus causador da covid-19 obrigou a reforçar.

A governante angolana considerou que é necessário incentivar a adesão maciça ao programa de vacinação contra o coronavírus, bem como o cumprimento das recomendações das autoridades sanitárias, para que se tenha “um ano letivo com mais saúde e bem-estar”.

Segundo a ministra, apesar da pandemia, o executivo angolano encontrou formas de minimizar os seus impactos negativos com a paralisação do ano letivo, recorrendo à difusão de aulas através de parcerias com as televisão e rádio públicas, tendo para o efeito sido formados 1.173 professores em métodos de ensino aberto e à distância.

De acordo com a ministra de Estado para a Área Social, além dos constrangimentos relacionados com o calendário escolar e a programação das aulas, a pandemia causou também dificuldades acrescidas no que diz respeito à conclusão dos programas curriculares, nos vários níveis de ensino.

O número de alunos angolanos que ficaram fora do sistema de ensino este ano não foi divulgado, mas só na província do Cuando Cubango chegam a 30.000, sendo necessárias 600 salas de aulas para reversão deste quadro.

Na sua intervenção na cerimónia de lançamento do novo ano letivo, o governador do Cuando Cubango, Júlio Bessa, referiu que o investimento no capital humano e nas infraestruturas tem que continuar, “porque muito há ainda por fazer” para se reduzir o défice de salas de aulas e, consequentemente, o número de crianças fora do sistema escolar.

“De igual modo, pretendemos superar nos próximos tempos o défice de salas de aulas no primeiro e segundo ciclos, que é de 50% no primeiro e cerca de 90% no segundo ciclo. Queremos com isso dizer, que cinco em cada dez crianças que terminam o ensino primário não prosseguem os seus estudos e nove em cada dez crianças não atingem o segundo ciclo”, indicou Júlio Bessa.

Fonte: RTP Notícias

Download Nulled WordPress Themes
Premium WordPress Themes Download
Free Download WordPress Themes
Free Download WordPress Themes
udemy free download
download xiomi firmware
Download Premium WordPress Themes Free
free online course

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!