Scholz diz que Alemanha vai formar Governo antes do Natal. Quer negociar com os Verdes e o FDP

Foto: EPA/FOCKE STRANGMANN

Olíder social democrata alemão, Olaf Scholz, disse esta segunda-feira que o SPD quer começar a negociar o “mais rápido possível” com os Verdes e com os liberais do FDP para a formação do próximo Governo da Alemanha.

“Os Verdes e o FDP (liberais) conseguiram um aumento considerável dos votos e é por isso que vamos tentar uma coligação com esses partidos”, disse Scholz aos jornalistas na sede nacional do partido em Berlim.

“Nós queremos começar as conversações no sentido da formação do Governo, o mais rápido possível”, acrescentou Olaf Scholz, vice-chanceler e ministro das Finanças do Governo de coligação que continua em funções até que seja constituído o próximo executivo.

“O que é evidente para nós é que fomos mandatados para formarmos Governo”, sublinhou o líder social democrata, referindo-se ao resultado alcançado nas eleições de domingo.

De acordo com a contagem dos votos, o SPD conseguiu 25,7% dos votos, o melhor resultado desde a eleição de Gerard Schroder, mas, mesmo assim, vai precisar necessariamente de uma coligação de pelo menos três partidos para poder governar.

A CDU-CSU sofreu a pior derrota desde 1949, alcançando apenas 24,1% dos votos, o que corresponde a uma queda de 9% em comparação com as legislativas de 2017.

Atrás do SPD e da CDU, que governam alternadamente o país desde 1949, juntas ou como forças coligadas, estão os Verdes com 14,8% dos votos e os liberais do FDP com 11,5%.

“Vamos conseguir um Governo antes do Natal”, disse Scholz

Nesta segunda-feira Olaf Scholz desdramatizou as questões relacionadas com “incertezas políticas” que podem ser provocadas pela demora na formação do primeiro Governo depois da “era Merkel”, respondendo que as negociações para a formação de coligações são uma tradição política do país que tem a economia mais forte da Europa.

“Vamos ser rápidos. Vamos conseguir um Governo antes do Natal”, disse Scholz.

Questionado, em concreto sobre os democratas cristãos, Scholz disse que “os alemães demonstraram nas urnas que querem a CDU na oposição”, afastando desta forma, pelo menos de momento, contactos com Armin Laschet, líder democrata cristão.

Na conferência de imprensa, Scholz reiterou que, “como próximo chanceler” da Alemanha, quer fortalecer o bloco europeu e a Aliança Atlântica.

No passado sábado, durante o último dia de campanha eleitoral, Olaf Scholz disse à Lusa que vai continuar a trabalhar de “forma dura” no sentido de promover uma Europa “soberana” assim como se comprometeu a apoiar a parceria transatlântica (com os Estados Unidos) e fortalecer a cooperação com a NATO, tendo afirmado que deseja manter a “boa cooperação” com os países do sul da Europa, nomeadamente com Portugal.

Em 2017, o período negocial para a formação do Governo prolongou-se durante mais de 200 dias.

Presidente do Parlamento Europeu felicita Scholz e defende parceiro forte em Berlim

O presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli, felicitou o líder socialista alemão, Olaf Scholz, pela vitória nas eleições legislativas de domingo, destacando que a UE precisa de um parceiro “forte e fiável” em Berlim.

Depois desta crise histórica, não há tempo a perder. A Europa precisa de um parceiro forte e fiável em Berlim para prosseguirmos o trabalho comum para uma recuperação social e verde”, escreveu Sassoli, na sua conta na rede social Twitter.

O presidente do PE, que é da mesma família política europeia do Partido Social-Democrata alemão (SPD), felicitou Scholz pela sua vitória nas legislativas de domingo.

O SPD venceu as eleições parlamentares alemãs, que marcaram o fim da era de Angela Merkel, com 25,7% dos votos, de acordo com uma contagem oficial provisória anunciada esta segunda-feira pela Comissão Eleitoral Federal alemã.

A aliança conservadora CDU/CSU, liderada por Armin Laschet, obteve 24,1% dos votos, o pior resultado da sua história.

Já os Verdes ficaram em terceiro lugar com 14,8%, seguidos pelo partido liberal FDP com 11,5%.

Esta disputa eleitoral será conquistada por quem conseguir construir uma coligação maioritária entre pelo menos três formações partidárias, após negociações que terão início esta segunda-feira.

Atualmente, o parlamento federal alemão tem 709 deputados, tratando-se do segundo maior órgão legislativo do mundo em número de representantes, a seguir à Assembleia Nacional Popular da República Popular da China, e, de acordo com as previsões, pode vir a aumentar o número de parlamentares.

Fonte: DN

Premium WordPress Themes Download
Download Best WordPress Themes Free Download
Download Best WordPress Themes Free Download
Premium WordPress Themes Download
udemy paid course free download
download xiomi firmware
Download Premium WordPress Themes Free
download udemy paid course for free

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!