Bruxelas revê em alta previsões de crescimento para Portugal

Foto: Shutterstock

A Comissão Europeia reviu em alta as projeções do produto interno bruto (PIB) de Portugal para este ano, esperando agora um crescimento de 4,5%. No próximo ano, Portugal deverá crescer 5,3% e 2,4% em 2023. Em reação a estes números, o Governo considera que a economia está “num bom momento”. 

Nas previsões económicas de verão, publicadas no início de julho, a Comissão Europeia manteve as projeções da primavera, estimando um crescimento do PIB de 3,9% este ano e de 5,1% no próximo, abaixo das projeções do Governo.

As previsões hoje divulgadas pela Comissão Europeia apontam ainda para uma taxa de inflação de 0,8% este ano (o Governo aponta para 0,9%), subindo depois para 1,7% em 2022, mas voltando a descer, para 1,2%, em 2023.

Daqui a dois anos, Bruxelas estima ainda que o crescimento do PIB nacional baixe para 2,4%, esperando também uma estabilização do crescimento das exportações e importações em 4,1% e 4,0%, respetivamente.

Entretanto, as exportações deverão acelerar 11,1% este ano e 9,5% no próximo, ao passo que as importações devem também subir 10,9% e 6,2% em 2021 e 2022, respetivamente.

“A economia de Portugal está a recuperar fortemente, ajudada por um ressurgimento da procura e pelo emprego. A perspetiva de crescimento permanece favorável apesar de desafios relacionados com as cadeias mundiais de abastecimento e incerteza no turismo estrangeiro”, assinala a Comissão Europeia no comentário sobre a economia nacional.

Bruxelas assinala que no primeiro semestre do ano as “vendas de bens duradouros cresceram substancialmente contra o cenário de poupanças acumuladas e procura reprimida”.

Na proposta orçamental, entregue na Assembleia da República e entretanto ‘chumbada’, o Governo prevê que a economia portuguesa cresça 4,8% este ano. Já para 2022 a previsão do Governo é de um crescimento da economia de 5,5%.

Na semana passada, o ministro João Leão disse que as metas do Governo para este ano quanto ao défice e à dívida estão “ao alcance” do país, algo que “dá credibilidade” a nível internacional, afirmando esperar então o cumprimento do objetivo de “um défice de 4,3%, ou inferior, no final do ano”, bem como a “meta de descer a dívida pública de 135% [do PIB] para 126,9% este ano”.

Comissão Europeia mais pessimista que o Governo na dívida e défice

A Comissão Europeia espera que o défice português atinja os 4,5% do PIB e que a dívida pública chegue aos 128,1% do PIB este ano, previsões piores do que as do Governo.

De acordo com as Previsões Económicas de outono, hoje divulgadas, o défice das contas públicas nacionais deverá ainda baixar para 3,4% em 2022, ao passo que o rácio da dívida pública face ao PIB descerá para 123,9%.

No relatório adjacente à proposta de Orçamento do Estado para 2022 — entretanto rejeitada — o Governo tinha previsto que o défice deste ano ficasse nos 4,3% e que a dívida baixasse para 126,9%, e em 2022 os valores descessem, respetivamente, para 3,2% e 122,8%.

Crise política: Incertezas “representam um fator de risco adicional”

A Comissão Europeia (CE) considerou, nas previsões económicas de outono, que as incertezas relacionadas com o ‘chumbo’ parlamentar da proposta de Orçamento de Estado para 2022, e subsequentes incertezas, representam “um fator de risco adicional” para Portugal.

“As incertezas relacionadas com a adoção de um Orçamento para 2022 representam um fator de risco adicional”, pode ler-se na secção dedicada a Portugal das Previsões Económicas, que foram hoje divulgadas pelo executivo europeu.

Governo considera que números de Bruxelas comprovam cenário “credível”

O ministro das Finanças, João Leão, considerou que a revisão em alta das previsões macroeconómicas da Comissão Europeia, que ficam abaixo das do Governo, comprovam, ainda assim, que o cenário gizado pelo executivo nacional “é credível”.

“As previsões da Comissão Europeia mostram que o cenário macroeconómico e orçamental apresentado pelo Governo na proposta de Orçamento do Estado para 2022 é credível e que os portugueses podem ter confiança no futuro“, pode ler-se num comunicado enviado pelo Ministério das Finanças às redações.

As previsões de Bruxelas “confirmam, ainda, que o contexto de incerteza política que atravessamos não teve origem em problemas financeiros nem numa crise de finanças públicas, como aconteceu no passado”, refere o ministro de Estado e das Finanças.

Fonte: Notícias ao Minuto

Free Download WordPress Themes
Download WordPress Themes
Download Nulled WordPress Themes
Download Nulled WordPress Themes
udemy free download
download samsung firmware
Download Best WordPress Themes Free Download
download udemy paid course for free

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!