Brasil rejeita ajuda humanitária da Argentina às inundações na Bahia

Foto: Felipe Iruata/EPA

O Brasil rejeitou a ajuda da Argentina à Bahia, através de profissionais especializados em inundações, por considerar que “tem os recursos suficientes”, uma resposta semelhante à de há dois anos, quando rejeitou apoio para combater incêndios na Amazónia.

“A situação está a ser enfrentada com a mobilização interna de todos os recursos financeiros e de pessoal necessários para as ações de assistência à população afetada, os quais se têm mostrado, até este momento, suficientes”, explicou o Ministério das Relações Exteriores do Brasil através de uma nota enviada ao Governo de Buenos Aires.

Pelo menos 21 pessoas morreram devido às fortes chuvas que atingiram o estado brasileiro da Bahia.

O Brasil alega que pode tratar das consequências das fortes chuvas que atingiram o estado da Bahia sem ajuda externa e que caso haja “necessidades suplementares, poderá vir a aceitar a oferta argentina”.

“Na hipótese do agravamento da situação, requerendo-se necessidades suplementares de assistência, o Governo brasileiro poderá vir a aceitar a oferta argentina de apoio da Comissão Capacetes Brancos, cujos trabalhos são amplamente reconhecidos”, concluiu a diplomacia brasileira.

‘Capacetes Brancos’ é o organismo do Governo argentino responsável pela assistência humanitária do país a outras nações.

A resposta negativa foi também dirigida ao governador da Bahia, Rui Costa, que tinha apelado ao Governo Federal para que autorizasse o envio de uma missão humanitária da Argentina.

“A missão argentina aguarda a autorização do Ministério das Relações Exteriores para que possam vir à Bahia. Agradeço aos argentinos e peço ao Governo Federal celeridade na autorização para a missão estrangeira”, pediu o governador da Bahia através das redes sociais.

Na segunda-feira (27), através de uma nota oficial do Ministério das Relações Exteriores, a Argentina formalizou o oferecimento de ajuda ao estado da Bahia que consistia no envio imediato de 10 profissionais especializados em áreas de água, saneamento, logística, armazenamento de doações e contenção psicossocial às vítimas.

Intitulada “Argentina pôs à disposição a Comissão Capacetes Brancos para colaborar na catástrofe da Bahia no Brasil”, o Governo argentino explicou que, através da embaixada argentina em Brasília, enviou três notas: uma à Agência Brasileira de Cooperação (ABC), outra ao Ministério das Relações Exteriores do Brasil e uma terceira ao Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (CENAD).

Ao mesmo tempo, o consulado argentino em Salvador, capital da Bahia, transmitiu a oferta de ajuda ao governador da Bahia, Rui Costa.

A rejeição do chefe de Estado brasileiro, Jair Bolsonaro, acontece dias depois da visita do ex-presidente Lula da Silva à Argentina. Lula foi recebido em Buenos Aires com honras de chefe de Estado e o Governo argentino tratou o brasileiro como próximo Presidente do Brasil nas eleições de outubro de 2022.

Lula e Bolsonaro tendem a polarizar a próxima campanha eleitoral. O governador da Bahia, Rui Costa, é do Partido dos Trabalhadores, de Lula, maior inimigo de Bolsonaro.

Porém, esta não foi a primeira vez que o Governo Bolsonaro rejeitou ajuda humanitária da Argentina. Em 2019, no auge dos incêndios na Amazónia, o Brasil rejeitou 200 elementos altamente capacitados no combate a incêndios florestais alegando não precisar de ajuda.

“Durante a Operação Verde Brasil, ocorrida de 24 de agosto a 24 de outubro, os efetivos mobilizados das Forças Armadas e dos bombeiros brasileiros foram suficientes para o cumprimento da missão”, informou então o Ministério da Defesa do Brasil em nota à Lusa, com argumentos semelhantes aos de agora, em relação à tragédia na Bahia.

Em 22 de agosto, o então Presidente argentino, Mauricio Macri (2015-2019), telefonou a Jair Bolsonaro para lhe oferecer a ajuda especializada argentina no combate aos incêndios na Amazónia. Na ocasião, Macri disse estar “alarmado e comovido” com os incêndios que tinham aumentado 84% no período em relação ao ano anterior.

Pelo lado do Exército, outros cem homens preparavam-se para ajudar o Brasil, mas, devido à rejeição brasileira, embarcaram à Bolívia, onde também havia incêndios.

Apesar de negar a ajuda argentina, “o Brasil recebeu auxílio de quatro aeronaves de combate a incêndios ofertadas pelo Chile; de um pequeno grupo de peritos dos Estados Unidos; de um grupo de bombeiros israelitas que foram em busca de troca de experiências com os bombeiros brasileiros; e do Japão, que doou barracas e colchões”, informou a nota do Ministério da Defesa do Brasil à Lusa.

Fonte: Observador

Download WordPress Themes
Download WordPress Themes Free
Download Premium WordPress Themes Free
Download Nulled WordPress Themes
free download udemy course
download huawei firmware
Download WordPress Themes Free
udemy paid course free download

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!