Legislativas: o que propõem os partidos para a Cultura


A maioria dos partidos com assento parlamentar dedica um capítulo do programa eleitoral à cultura, com medidas concretas ou propostas mais genéricas. Há partidos com programas extensos para o setor e outros que não lhe atribuem mais do que uma página (CDS) ou nenhuma (Chega).

Das 21 forças políticas que vão a votos no dia 30, o Bloco de Esquerda (BE), o PCP, o CDS-PP, o Livre, o Reagir Incluir Reciclar (RIR) e o Nós, Cidadãos fazem referência a 1% de verbas do Orçamento do Estado para a Cultura. Já o PS afirma que quer “aumentar a ambição orçamental de investimento da Cultura para 2,5% da despesa discricionária” do Orçamento do Estado.

A revisão do Estatuto dos Profissionais da Cultura, que entrou em vigor a 1 de janeiro, também é um ponto em comum a três partidos — Bloco de Esquerda, PAN e Livre —, enquanto o PS se compromete a “proceder à sua implementação”. O Volt Portugal escreveu simplesmente que quer a “implementação nacional” deste mecanismo jurídico, “de acordo com a nova legislação europeia”, enquanto o Ergue-te quer a criação do já criado estatuto.

O papel do serviço público de rádio e televisão é também discutido por várias forças políticas, com a Iniciativa Liberal a defender a privatização e venda da RTP, enquanto que o Bloco de Esquerda e o Livre propõem a extensão dos meios e as responsabilidades do serviço público na difusão, apoio e promoção da produção audiovisual nacional.

PARTIDO SOCIALISTA (PS)

O Partido Socialista dedica um dos subcapítulos do programa eleitoral à cultura, com medidas de continuidade ou já previstas, como a aplicação do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) na recuperação do património e na digitalização, e também novas propostas. A visão do partido para a cultura divide-se em seis pilares: promoção do livro e da leitura, património cultural, criação artística, promoção do cinema e do audiovisual, descentralização e internacionalização. 

Uma das principais medidas foca-se no aumento da receita pertencente ao Orçamento de Estado para 2,5%. Já em relação ao Estatuto dos Profissionais da Cultura, criado durante a anterior legislatura de António Costa, mas que não entrou ainda em vigor, o objetivo do PS passa por implementá-lo. Para os artistas, o PS propõe, por exemplo, um “programa de bolsas e residências artísticas para as artes plásticas” e a “colocação de obras de artistas portugueses em serviços públicos e equipamentos do Estado, com vista à sua fruição pelo público”.

Na área do audiovisual, os socialistas defendem a criação de uma rede de exibição de cinema independente e a modernização e simplificação dos procedimentos para filmar em Portugal.

No programa socialista consta ainda a criação do Museu Nacional de Arte Contemporânea, algo que já existe em Lisboa, ou a criação do Museu Nacional da Fotografia, “a partir dos equipamentos já existentes”.

PARTIDO SOCIAL DEMOCRATA (PSD)

No seu programa eleitoral, o PSD apresenta o capítulo “Cultura e conhecimento: uma ambição renovada”, onde afirma que a cultura deve ser “acessível a todos os portugueses”, exigindo também uma política cultural “enraizada” na identidade portuguesa.

As medidas do Partido Social Democrata dividem-se em quatro dimensões: a preservação e valorização do legado, a promoção da criação, a potenciação da comunicação e a democratização da fruição. Entre as propostas encontram-se a criação de uma Lei de Bases da Cultura, a digitalização do património cultural e desenvolvimento de visitas virtuais aos Museus Portugueses, a “inventariação e reabilitação dos edifícios com maior valor cultural” ou a criação de uma Escola Portuguesa de Design (associada a uma universidade), que possua ligações internacionais.

O PSD defende ainda a “avaliação do real impacto” do novo Acordo Ortográfico, sugere a criação de um “Museu de Portugal no Mundo, que, sem preconceitos nem tabus, narre a longa história do país”, a criação de uma RTP Global e ainda de um ‘Programa Cultural’ para cada um dos agrupamentos de escolas públicas, com o intuito de desenvolver uma “educação estética.”

INICIATIVA LIBERAL (IL)

A Iniciativa Liberal defende uma “maior participação do setor privado na gestão do património português, das instituições culturais e na execução da política cultural”. 

Uma das propostas dos liberais é “fundir a Direção-Geral do Património Cultural e as quatro direções regionais de Cultura num Instituto Nacional do Património Cultural dotado de autonomia administrativa e financeira”. 

A IL propõe também a “existência de uma ressalva que obrigue qualquer alienação de património a passar pelo crivo do Governo e de outros organismos relevantes para o setor” e a promoção de parcerias público-privadas na preservação e exploração do património cultural, produção e apoio de eventos, criação e gestão de museus.

Das 20 páginas do programa eleitoral do partido dedicadas à cultura, os liberais pretendem ainda a liberalização do mercado livreiro e a revogação da “Lei do preço fixo do livro”, a neutralização dos impactos da taxa de cópia privada e a privatização da RTP.

BLOCO DE ESQUERDA (BE)

O programa eleitoral do Bloco de Esquerda dedica uma secção ao “direito à cultura, às artes e ao património”. Das propostas faz parte a criação de uma Lei de Bases da Cultura e, em matéria laboral, um “programa de combate ao trabalho informal” e a vinculação dos “precários dos organismos públicos”. 

O partido de esquerda defende a alteração do Estatuto dos Profissionais da Cultura e prevê a inscrição no Orçamento do Estado da dotação de 1% para a cultura.

O BE propõe ainda um reforço dos meios da rede nacional de bibliotecas e a “revisão da Lei do Preço Fixo do Livro, combatendo a concentração do mercado livreiro e promovendo mecanismos de apoio a livrarias e editoras independentes”.

COLIGAÇÃO DEMOCRÁTICA UNITÁRIA (CDU)

A CDU considera que o programa eleitoral de 2019 se mantém “actual e válido”, citando dele o fim do programa Revive, de concessão de património imóvel do Estado a privados, a salvaguarda do “carácter integralmente público da Cinemateca” e a implementação de um “verdadeiro Estatuto do Bailarino”.

O partido comunista defende ainda a criação de um serviço Público de Cultura e a atribuição de, pelo menos, 1% do Orçamento do Estado à cultura.

PESSOAS-ANIMAIS-NATUREZA (PAN)

O PAN quer “consagrar a Cultura como bem de consumo essencial” e ter “uma rede nacional de museus na defesa da memória das migrações, da interculturalidade e dos direitos humanos”. 

São vários os compromissos que este partido tem para a próxima legislatura, como a revisão do Estatuto dos Profissionais da Cultura, uma maior autonomia financeira às escolas de artes cénicas e à produção cinematográfica nacional ou o apoio às editoras e entidades do setor livreiro, com vista a incentivar a reutilização de livros e a apostar na transição digital (e-books e audiolivros).

O partido propõe ainda a implementação de um programa de formação em práticas verdes e desenvolvimento sustentável na cultura e nas artes.

PARTIDO POPULAR (CDS-PP)

O CDS-PP dedica à cultura uma página do caderno eleitoral. De entre as propostas, destacam-se a revogação do Acordo Ortográfico de 1990, a criação de um “Dicionário Universal da Língua Portuguesa e da Biblioteca Universal da Língua Portuguesa, com entradas respeitantes às palavras usadas em todos os países de língua portuguesa”. 

Na área do património, o partido de Francisco Rodrigues dos Santos pretende reabilitar e conservar os edifícios de interesse nacional e promover a investigação, o estudo e a divulgação da História.

LIVRE

Numa secção denominada Cultura e Arte, o programa do Livre afirma que a cultura é um dos “motores impulsionadores das grandes economias”, defendendo a “democratização do acesso” e uma legislação específica para articular os equipamentos culturais, modelos de gestão e recursos humanos e técnicos.

O partido de Rui Tavares defende também que 1% da receita total do Orçamento do Estado seja dedicada à cultura e que o Estatuto dos Profissionais de Cultura seja revisto.

O Livre propõe ainda a reestruturação da Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas, a exibição e difusão de obras nacionais de produção independente em horários acessíveis, na RTP, a digitalização da Cultura, também através do serviço público e a extinção de “todo o tipo de receitas provenientes de jogos de azar”, como a “raspadinha do património e lotarias, destinadas a salvaguardar o património cultural, uma vez que estes jogos são suscetíveis de causar adição”.

CHEGA!

Dos partidos com assento parlamentar, o Chega não apresenta qualquer medida específica e detalhada para o setor cultural.

PARTIDOS SEM ASSENTO PARLAMENTAR

O Volt Portugal sugere a atribuição de cheques culturais de 200 euros (financiados por mecenas) a jovens entre os 16 e os 19 anos e o Reagir Incluir Reciclar (RIR) pretende garantir o financiamento “para instituições culturais de reconhecido mérito e labor em prol da difusão cultural”.

Já o partido de extrema-direita Ergue-te compromete-se a “fundir num só Ministério a Educação e Cultura” e “proteger a cultura tauromáquica”. 

O Nós, Cidadãos diz que a RTP deverá passar a ser tutelada pelo Ministério da Cultura – o que já acontece – e pede o reforço do Instituto Camões.

As eleições legislativas antecipadas estão marcadas para o dia 30 de janeiro, sendo 21 as forças políticas concorrentes e quase mais 10 mil o número de eleitores face a 2019. 

Mais de 10,8 milhões de eleitores residentes em território nacional e no estrangeiro serão chamados votar, elegendo os 230 lugares de deputados da Assembleia da República para a próxima legislatura.

Fonte: SIC Notícias

Premium WordPress Themes Download
Download Best WordPress Themes Free Download
Download Best WordPress Themes Free Download
Download Premium WordPress Themes Free
udemy paid course free download
download micromax firmware
Download Nulled WordPress Themes
free online course

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!