Caso Bruno de Carvalho/“Big Brother”: TVI pode ter de responder por infrações cometidas à Lei da Televisão, apontam especialistas

Foto: António Pedro Santos/Lusa

Nos últimos dias, foram apresentadas queixas junto da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) sobre “alegadas situações de violência psicológica e física” no programa “Big Brother”, emitido pela TVI, envolvendo o ex-concorrente Bruno de Carvalho, antigo presidente do Sporting. A entidade ainda está a avaliar essas participações e não se espera uma deliberação para breve, mas podem estar em causa infrações à Lei da Televisão, atualizada pela última vez em 2020.

“Programas como o Big Brother favorecem e estimulam mais polémicas, maior agressividade e maior violação da intimidade e da vida privada”, começa por dizer Alberto Arons de Carvalho, docente universitário e especialista em Direito da Comunicação. “Não me espanta que haja situações no limite do aceitável”, continua, remetendo para o artigo 27 da referida lei — que diz respeito aos limites à liberdade de programação e que, “em princípio, aplica-se a esta situação”.

“Nas várias normas desse artigo são referidas, por exemplo, questões relacionadas com imagens violentas”, resume o docente, mencionando, em concreto, os dois primeiros pontos, segundo os quais “a programação dos serviços de comunicação social audiovisual deve respeitar a dignidade da pessoa humana, os direitos específicos das crianças e os jovens, assim como os direitos, liberdades e garantias fundamentais”, não podendo os meios de comunicação, através da sua programação, “incitar à violência ou ao ódio contra grupos de pessoas ou membros desses grupos em razão do sexo, raça, cor ou origem étnica ou social (…)”.

Analisadas as participações e ouvidos os vários intervenientes, incluindo a estação televisiva. Arons de Carvalho, que foi vice-presidente do Conselho Regulador da ERC entre 2012 e 2017, explica que o regulador pode optar por fazer recomendações ao canal de televisão em causa para que “não continue com as práticas que levaram às participações”.

Também pode “obrigar o órgão de comunicação social a divulgar as conclusões da deliberação nos seus próprios canais e plataformas”, mas é improvável que o faça. “Só acontece em casos mais graves e excecionais. Normalmente, a deliberação é divulgada no site da ERC e enviada diretamente para as partes envolvidas”, explica o docente, para quem se deveria recorrer mais vezes a esta prática. Em cerca de 4500 deliberações feitas pela ERC desde 2006, apenas 42 foram acompanhadas dessa obrigação, o que representa menos de 1% do total. “Todas as semanas, são feitas entre cinco a dez deliberações e ninguém sabe. São raríssimos os casos em que há, de facto, esse conhecimento.”

Deliberação não deverá ser conhecida “nos próximos seis meses”
Independentemente do desfecho, o processo poderá arrastar-se vários meses, não se prevendo que haja uma decisão por parte da ERC num prazo inferior a meio ano. “Uma coisa é o tempo mediático, outra é o tempo do regulador”, diz Arons de Carvalho, explicando que vão ter de ser ouvidas as várias partes envolvidas no caso, o que inclui a TVI mas também os concorrentes do programa.

“Tendo em conta a escassez de quadros no regulador em relação ao volume de trabalho e ao vasto leque de atribuições e competências, não prevejo que haja uma deliberação antes dos próximos seis meses”. Nessa altura, o “programa já terá terminado e o tema já não será polémico”, diz também. Em média, o prazo de deliberação da ERC é de “cerca de um ano, embora tenha diminuído nos últimos anos”.

Carlos Camponez, docente na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e especialista em Ética e Deontologia da Comunicação, também cita a Lei da Televisão para enquadrar as situações de alegada violência psicológica e física que tiveram lugar no programa da TVI, mas duvida que “sirva de base para uma intervenção da ERC contra o canal televisivo”.

“Será difícil dizer que o programa incita o ódio e a violência”, sublinha. Em todo o caso, “estará mais em causa o programa do que a situação de alegada violência”, diz, considerando que o ‘reality-show’ “coloca em causa a privacidade e outros valores de uma forma problemática”.

A ética paga?
Arons de Carvalho concorda que seja feita uma discussão mais abrangente sobre o formato dos conteúdos televisivos. O momento para isso será o da renovação das licenças das operadores de televisão, quando é feita uma avaliação dos últimos anos. “Acho que a ERC não pode fugir à ponderação sobre o formato dos conteúdos, considerando se este formato é ou não aceitável face ao direito dos cidadãos de serem informados e terem acesso a informação qualificada e não polémica.” Referindo-se, especificamente, ao ‘reality-show’ da TVI, sublinha que “não está apenas em causa aquele comportamento concreto, mas o tipo de programa em si, que estimula estas situações”.

“As lógicas comerciais das audiências acabam por desvirtuar o próprio debate público e ético sobre questões como esta. Muitas vezes, são promovidas situações polémicas e eticamente questionáveis precisamente porque geram audiência”

Carlos Camponez, docente na Universidade de Coimbra e especialista em Ética e Deontologia da Comunicação
Para Carlos Camponez, a discussão é, assim, sobretudo ética. “São questões do domínio público. E podemos argumentar que houve uma certa passividade da TVI relativamente à situação.” Em todo o caso, trata-se de uma discussão com várias limitações, porque “as lógicas comerciais das audiências acabam por desvirtuar o próprio debate público e ético sobre questões como esta”.

Muitas vezes, “são promovidas situações polémicas e eticamente questionáveis precisamente porque, em alguns contextos, geram audiências”, diz o investigador, acrescentando que “há casos que são recorrentemente objeto de queixa, às vezes até de caráter legal e deontológico, e isso não tem efeitos, continuando os média na sua linha de repetição de problemas e mantendo as audiências”. “Adela Cortina, filósofa espanhola, dizia que a ética paga, mas tenho dúvidas sobre isso. O mercado já a desmentiu várias vezes.”

A “normalização da violência”
Também a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) recebeu várias queixas relacionadas com a participação de Bruno de Carvalho no programa da TVI. A informação é confirmada ao Expresso por João Lázaro, presidente da associação, para quem não é tolerável que “programas de grande audiência e grande impacto junto da população transmitam discursos e narrativas de normalização da violência”. Estas situações “acabam por legitimar outros casos”, diz, defendendo a necessidade de combater aquilo a que se refere como “normalização, promoção e incentivo da violência”.

A maior responsabilidade recai sobre os canais televisivos e os responsáveis pelos programas que são emitidos, aponta, lembrando o caso de violência física ocorrido na primeira edição do ‘reality-show’, em 2000, com um dos participantes a agredir outra concorrente. “Havia regras claras e ele foi expulso. Foi aplicada uma política de tolerância zero.”

Desta vez, não foi isso que aconteceu. Apesar de pressionada pela Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género (CIG), que no domingo passado apresentou uma denúncia ao Ministério Público pelo “comportamento ameaçador” do ex-concorrente, e instou a TVI a agir de imediato, expulsando Bruno de Carvalho, a estação televisiva não tomou medidas. O antigo presidente do Sporting foi expulso no mesmo dia através da votação do público.

Segundo a CIG, o comportamento deste concorrente é “susceptível de configurar a prática de crime público de violência doméstica, na forma psicológica e física”. No comunicado que divulgou, a comissão adiantou ter tido conhecimento de vídeos divulgados nas redes sociais, retirados do programa em causa, “onde se pode assistir ao comportamento ameaçador do concorrente Bruno de Carvalho para com a sua namorada, a concorrente Liliana, chegando, inclusive, a agarrar o seu pescoço de forma indelicada e evidentemente desconfortável”.

Para João Lázaro, os meios de comunicação social têm uma “responsabilidade ética e moral” nestas situações. Quanto à queixa contra o ex-concorrente apresentada ao MP, explica que seguirá os “trâmites normais”, com uma averiguação da denúncia — que pode implicar a recolha de testemunhos de outros concorrentes do programa — para que se decida se a investigação avança. Durante este processo, também é possível sejam requisitadas imagens junto do canal televisivo.

Fonte: Expresso

Download Best WordPress Themes Free Download
Download WordPress Themes Free
Premium WordPress Themes Download
Download WordPress Themes
download udemy paid course for free
download karbonn firmware
Download Premium WordPress Themes Free
udemy course download free

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!